23 agosto 2010

Heranças à Esquerda 46

Esquerdas brasileiras 17: O PT 7: 
Os trotskysmos do PT: Cenário Geral.

A IV Internacional foi fundada por Trostsky, em Paris, no ano de 1938. Seu documento base, o “Programa de Transição”, compreendia a experiência do stalinismo soviético como uma contra-revolução e atribuía-se a missão de liderar a proposta da revolução proletária mundial. Não obstante, as fissuras e divisões internas foram inúmeras. Um dos fatores disso, aparentemente, decorre do brilhantismo de alguns de seus membros, como Ernest Mandel e Nahuel Moreno, ou do individualismo e oportunismo de outros, como Pierre Lambert.

Mandel, por exemplo, um dos mais vigorosos intelectuais marxistas do século XX e o intelectual de referência para a tendência petista Democracia Socialista (DS), chegou a ser dirigente do Secretariado Unificado (SU) da IV Internacional. Iniciou sua militância aos 16 anos apenas, na luta contra o nazismo. Após sobreviver a um campo de concentração, participou do Partido Socialista Belga, do qual foi expulso, em função de sua posição trotskysta. Desse evento, decorreu a fundação do Partido Socialista Operário da Bélgica, por ele liderada.

Moreno, por sua vez, percorreu um caminho de rompimento com Secretariado Unificado e trabalhou para implentar a Liga Internacional dos Trabalhadores (LIT), a qual foi fundada em Bogotá. Argentino de nascimento, Moreno fez com que a LIT se tornasse uma força trotskysta de referência em vários países da América Latina, ao menos até que entrasse, por sua vez, num processo de recomposição, nos anos 90. É desse processo que surgiu o Movimento ao Socialismo (MAS), outra força de feição latino-americana que, no Brasil, constitui o centro político do PSTU.

Porém, também da LIT surgiu outra dissidência, a TBI, Tendência Bolchevique Internacionalista, cujo braço brasileiro foi a Liga Operária Internacionalista (LOI), saída da Convergência Socialista.

Também na América Latina, outras formações políticas surgiram, lideradas por J. Posadas, Jorge Altamira, Guillermo Lora e outros. Posadas fundou a IV Internacional Posadista. Altamira formou o Partido Obrero (PO) da Argentina, cuja célula brasileira foi o Partido da Causa Operária (PCO). Lora, por sua vez, liderou o Partido Operário Revolucionário (POR) na Bolívia, que teve como célula, no Brasil, a Tendência pelo Partido Operário Revolucionário (T-POR), todas elas entidades já dissolvidas.

Nesse cenário complexo ainda tem um papel central o intelectual francês Pierre Lambert, que rompeu igualmente, tal como Nahuel Moreno, com o Secretariado Unificado para fundar nova organização, o Centro Internacional de Reconstrução (CIR), o qual reivindicou, disputando com Ernest Mandel, a denominação de IV Internacional.



Na França, a seção do CIR foi a famosa Organização Comunista Internacionalista (OCI). No Brasil, a seção denominou-se O Trabalho. De início, a pretensão da seção era constituir-se como uma célula política independente. Porém, seguindo orientação de Lambert já aplicada na política francesa com resultados importantes (já ratei disso: veja aqui), O Trabalho acabou entrando no PT e tornando-se uma de suas tendências.

Nenhum comentário: